UniRedentor entra de cabeça no Setembro Amarelo

2017-09-04 00:00:00.0 - Nino Bellieny - Jornalista - Registro: 30067-RJ

Em 2014, começava um movimento do Centro de Valorização da Vida (CVV), Conselho Federal de Medicina (CFM), Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), para a criação de uma campanha que informasse e sensibilizasse a população sobre o suicídio, um problema de saúde pública em situação de tabu e de constante aumento de suas vítimas. Pelos números oficiais, são 32 brasileiros mortos por dia, taxa superior às vítimas da AIDS e da maioria dos tipos de câncer. Tem sido um mal silencioso, pois as pessoas fogem do assunto e, por medo ou desconhecimento, não veem os sinais de que uma pessoa próxima está com ideias suicidas... A universidade é um espaço privilegiado para este tipo de campanha que envolve uma abordagem séria e consistente, embasada em conhecimentos científicos consolidados. Ao aderir a campanha, a UniRedentor cumpre com o seu compromisso social e acadêmico, aumentando o acesso público e profissional às informações sobre todos os aspectos da prevenção de comportamento suicida, conferindo a devida atenção para esse  problema psicossocial e sensibilizando a comunidade em relação aos mitos que calam as vozes de sofrimento de quem desistiu de viver.

O Setembro Amarelo vem crescendo e movimentando pessoas em vários eventos. Assim, a UniRedentor preparou diversas atividades além das já existentes no âmbito do ensino. Foram feitas duas mesas-redondas nos dias 28 e 29 de agosto, e, no dia 04/09, acontece um movimento de sensibilização na UniRedentor. Serão usados guarda-chuvas a fim de receber os alunos de forma acolhedora, mostrando o quanto cada um é importante como Ser Humano.